Análise da Viabilidade Financeira Para Utilização de Estufas na Produção de Alface Hidropônica: Um Estudo de Caso Com o Uso da Metodologia Multi-Índices

Analysis about the financial viability for producing hydroponic lettuce in greenhouses: a case study using a Multi-factor Approach

Contenido principal del artículo

Felipe Gerais-Ramos
Karen Ketlin-Kaffer
Anderson Catapan

Resumen

O objetivo deste artigo é investigar a viabilidade financeira para a produção de alface hidropônica com a utilização de sistemas hidropônicos (estufas) na cidade de Mandirituba/PR. Para tanto, foram feitas entrevistas em propriedades rurais que utilizam estufas para a produção agrícola. Então, foram calculados VPL, TIR, payback descontado e IR do projeto. Depois, foi utilizada a metodologia multi-índice para mensurar os riscos associados ao projeto. Os resultados mostraram um VPL de R$ 110.120,75 e uma Taxa Interna de Retorno de 51%. Os indicadores de risco payback/N e GCR mostraram-se como médios. Já os indicadores risco de gestão, risco de negócios e TMA/TIR foram baixo/médios. Por último, o indicador ROIA, foi classificado como médio, uma vez que adiciona 4,23% de riqueza ao projeto, acima da TMA. Diante disto, confirmou-se a viabilidade financeira do projeto.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Biografía del autor/a (VER)

Felipe Gerais-Ramos, Endeleza International

Graduando em Administração na Universidade Tecnológica do Paraná.

Karen Ketlin-Kaffer, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Graduanda em Administração na Universidade Tecnológica  do Paraná.

Anderson Catapan, Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR)

Pós-Doutor em Gestão (Universidade Fernando Pessoa –Portugal), Doutor em Administração do Pontificia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), com período de
estágio doutoral na Universidade do Porto (Portugal), Mestre em Contabilidade e Finanças do Universidade Federal do Paraná (UFPR), Pós-graduado em Controladoria do Universidade Federal De Goiás (UGF), MBA em Administração do Universidad Internacional Tres Fronteras (Uninter) - Paraguay. Graduado em Engenharia Elétrica (UFPR) e em Ciências Contábeis (PUCPR). Professor Adjunto da Universidade Tecnológica Federal do Paraná (UTFPR).

Palabras clave:

Referencias (VER)

1. Ackoff RL. (1983). Planejamento Empresarial. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos Editora S.A.

2. Alberoni RB (2004). Hidroponia: como instalar e manejar o plantio de dispensando o uso do solo. 1. Ed. São Paulo: Nobel.

3. Amico D. (2012). Conheça os prós e contras da hidroponia. [base de dados da internet]. Acesso em Set/2014. Disponível em: http://www.jornalbrasileirogratuito.com.br/noticias/novidades/tecnologia/conheca-os-pros-e-contra-da-hidroponia/

4. Berber N, Đuriić J, Arsić N. (2012). Economic and regulatory evaluation of the organic agricultural production in Serbia: a case study of the production of wheat. Custos e @gronegócio online. 8(1), 96-118.

5. Calado ALC, Machado MR, Callado AAC, Machado MAV, Almeida MA. (2007). Custos e Formação de Preços no Agronegócio. Revista de Administração FACES Journal. 6(1), 52-61.

6. Casara AC. (2009). Direito Ambiental do Clima e Créditos de Carbono. 1ª Ed. Curitiba: Juruá.

7. Casarotto Filho N. (2009). Elaboração de projetos empresariais: análise estratégica, estudo de viabilidade e plano de negócio. São Paulo: Atlas.

8. Castelo Branco AC. (2010). Matemática Financeira Aplicada. 3ª Ed. São Paulo: Cengage Learning.

9. Catapan A, Catapan DC, Catapan EA. (2011). Formas alternativas de geração de energia elétrica a partir do biogás: uma abordagem do custo de geração da energia. Custos e @ gronegócio on line. 7(1), 25-37.

10. Catapan DC, Catapan A, Rosset NR, Harzer JH. (2012). Análise da viabilidade financeira da produção de biogás a través de dejetos de equinos. Custos e @gronegócio online. 8(4), 25-51.

11. Consalter MAS. (2011). Elaboração de Projetos. 3ª Ed. Curitiba: IBPEX.

12. Contini E. (2001). Dinamismo do Agronegócio Brasileiro. [base de dados da internet]. Acesso em: 15 set.2014. Disponível em: http://www.agronline.com.br/artigos/artigo.php?id=22&pg=3&n=5.

13. De Gregori R, Flores SAM. (2011). Gestão de riscos e gestão de custos em cooperativas agropecuárias do Rio Grande do Sul – RS. Custos e @gronegócio online. 7(1), 38-55.

14. Du Toit A, Labuschagne MT. (2013). A comparison between hydroponics systems and pots for growing wheat in the greenhouse. South African Journal of Plant and Soil. 24(2), 120-123.

15. Felipe IJS, Mól ALR, Almeida VS. (2013). Evidências na projeção do Value-at-Risk em preços de camarão no Brasil via modelagem ARIMA

16. com erros GARCH. Custos e @gronegócio online. 9(3), 49-78.

17. Frizzone JÁ, Andrade Júnior AS. (2005). Planejamento de irrigação: análise de decisão de investimento. Brasília: EMBRAPA Informação

18. Tecnológica.

19. Furlani PR, Silveira LCP, Bolonhezi D, Faquin V. (1999). Estruturas para o cultivo hidropônico. Informe Agropecuário. 20(200), 72-80.

20. Furlani PR, Silveira LCP, Bolonhezi D, Faquin V. (1999). Cultivo hidropônico de plantas. Campinas: IAC.

21. Goleman D. (2009). Estratégia. Rio de Janeiro: Elsevier.

22. Greca FM, Barddal RL, Ravache SC, Silva DG, Catapan A, Martins PF. (2014). Análise de Um Projeto de Investimento Para Minimização de Quebras de Estoque Com a Utilização da Metodologia Multi-Índices e da Simulação de Monte Carlo. Revista GEINTEC. 4(3); 1092-1107.

23. Hoss O, Casagrande LF, Dal Vesco DG, Metzner CM. (2008). Contabilidade: Ensino e Decisão. São Paulo: Atlas.

24. Jesus Filho JD. (2009). Hidroponía – cultivo sem solo. Viçosa: CPT.

25. Kavga A, Alexopoulos G, Bontozoglou V, Pantelakis S. (2012). Experimental Investigation of the Energy Needs for a Conventionally and an Infrared-Heated Greenhouse. Advances in Mechanical Engineering, 20(12), 1-17.

26. Mello-Ferreira VR. (2008). Psicologia Econômica: Estudo do comportamento econômico e da tomada de decisão. 2ª Ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

27. Milone G. (2006). Matemática Financeira. São Paulo: Thomson Learning. Núcleo Brasileiro de Hidroponia Integrada. (2014). Hidroponia. [base de dados da internet]. Acessado em: 15 set. 2014. Disponível em: <http://hydroponia.com.br/>

28. Ogata CRD, Oliveira SCK, Camargo TM, Lemes DPP, Catapan A, Martins PF. (2014). Projeto de investimento para automação no Brasil: uma análise com a utilização da metodologia multi-índices e da simulação de Monte

29. Carlo. Espacios (Caracas). 35(5); 18-32. Parra Filho D, Santos JA. (2000). Monografías. 4ª Ed. São Paulo: Futura.

30. Potrich ACG, Pinheiro RR, Schimidt D. (2012). Alface Hidropônica Como Alternativa de Produção de Alimentos de Forma Sustentável. Enciclopédia Bisofera. 8(15); 36-48.

31. Puccini AL. (2011). Matemática Financeira: Objetiva e Aplicada. 9ª Ed. São Paulo: Elsevier.

32. Sebrae. (2006). Ponto de partida para inicio de negócio. [base de dados da internet]. Acesso em: 15 set. 2014. Disponível em: http://www.biblioteca.sebrae.com.br/bds/bds.nsf/52FD7644DE0070A083256F-69004C131A/$File/NT000A2226.pdf>.

33. Tebchirani FR. (2008). Princípios de Economia Micro e Macro. 2ª Ed. Curitiba: IBPEX.

34. Vilela L. (2004). Desafios do agronegócio: capital e conhecimento. Revista de Política Agrícola. 2(1); 87-88.

35. Wildauer EW. (2011). Plano de Negócios: Elementos Constitutivos e Processo de Elaboração. 2ª Ed. Curitiba: IBPEX.

Contadores