Oficios manuales y movilidad social: Rio de Janeiro y São Paulo (siglos XVII y XIX)

Roberto Guedes Ferreira

DOI: https://doi.org/10.32997/2382-4794-vol.6-num.6-2014-736

Resumen

Analizando las capitanías/provincias de Río de Janeiro y São Paulo entre los siglos XVII y XIX, el artículo trata básicamente las concepciones de trabajo en el pasado de Brasil, destacando diferentes enfoques al tema. También intenta matizar la idea de que el defecto mecánico estigmatizaba trabajadores principalmente a los forros y a los descendientes de esclavos. Se propone entonces que la movilidad social es intragrupal y que no todos los grupos sociales se basaban sobra la noción aristocrática del defecto mecánico. Además, aun entre los miembros de las elites tal noción presentaba flexibilidad en el tiempo y espacio.

Palabras clave

movilidad social; forro; descendientes de esclavos;

Texto completo:

PDF

Referencias

Fuentes primarias:

Arquivo do Estado de São Paulo (AESP).

Arquivo Nacional (AN).

Bluteau, Raphael, Vocabulário Português e Latino, Rio de Janeiro, UERJ, 2000, p.35. Versão em CD-ROM. 1ª ed.: 1712-1727.

Documentos Interessantes para a História e Costumes de São Paulo (DIHSP), vol.94, São Paulo, Arquivo do Estado de São Paulo, 1898.

Lista Nominativa de Porto Feliz (LNPF), 1803.

Museu Republicano Convenção de Itu (MRCI).

Ordenares Filipinas, Livro IV, Título LXII.

Historiografía:

Bicalho, Maria Fernanda, “As câmaras ultramarinas e o governo do Império”, em João Fragoso et al (orgs.), O Antigo Regime nos trópicos, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2001.

Bicalho, Maria Fernanda, A Cidade e o Império. O Rio de Janeiro no século XVIII, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

Boxer, Charles, O império colonial português (1415-1825), Lisboa, Edições 70, 1981.

Buarque de Holanda, Sérgio, “Movimentos da população em São Paulo no século XVIII”, em Revista do Instituto de Estudos Brasileiros São Paulo, Universidade de São Paulo, 1966.

Cabral de Mello, Evaldo, O nome e o sangue, São Paulo, Companhia das Letras, 1989.

Camargo, Teodorico, O sargento mor das Ordenanças de Porto Feliz, Antônio José de Almeida e duas gerações de seus descendentes, São Paulo, Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais Ltda., 1954.

Carvalho Franco, Maria, Homens livres na ordem escravocrata, São Paulo, UNESP, 1997.

Castro Faria, Sheila de, A colônia em movimento, Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 1988.

Castro Faria, Sheila de, Sinhás pretas, damas mercadoras. Ais pretas minas nas cidades do Rio de Janeiro e de São João Del Rey (1750-1850), Niterói, Tese para o concurso de Professor Titular, UFF, 2005.

Cerruti, Simona, “Processo e experiência: indivíduos, grupos, e identidades em Turim no século XVII”, em Jacques Revel (org.), Jogos de Escala, Rio de Janeiro, FGV, 1998, pp.173-201.

Coelho, Edmundo C., As profissões imperiais: medicina, engenharia e advocacia no Rio de Janeiro, 1822-1930, Rio de Janeiro, Record, 1999.

Daniel, Roche (org.), Órdenes, estamentos y clases, Madrid, Siglo Veintiuno de Espana, 1978.

Delumeau, Jean, “Modalidad social: ricos y pobres en la época del Renacimiento”, en Daniel Roche (org.), Órdenes, estamentos y clases, Madrid, Siglo Veintiuno de España, 1978, pp.150-162.

Duby, Georges, As três ordens ou o imaginário do feudalismo, Lisboa, Ed. Estampa, 1982.

Ellis Júnior, Alfredo, Os primeiros troncos paulistas, São Paulo, Editora Nacional, 1976.

Fragoso, João e Guedes Ferreira, Roberto, “Alegrias e artimanhas de uma fonte seriada”, em Tarciso R. Botelho et al (orgs.), História quantitativa e serial no Brasil: um balanço, Goiânia, ANPUH-MG, 2001-2002.

Fragoso, João, “Algumas notas sobre a noção de colonial tardio no Rio de Janeiro: um ensaio sobre a economia colonial”, em Locus. Revista de História vol.6, n.°1, Minas Gerais, Universidade Federal de Juiz de Fora, 2000, pp.9-36.

Fragoso, João, “A noção de economia colonial tardia no Rio de Janeiro e as conexões económicas do Império português: 1790-1820”, em João Fragoso et al (orgs.), O Antigo Regime nos trópicos, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2001.

Fragoso, João, “A formação da economia colonial no Rio de Janeiro e de sua primeira elite senhorial”, em João Fragoso et al (orgs.), O Antigo Regime nos trópicos, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2001.

Fragoso, João e Florentino, Manolo, O arcaísmo como projeto. Mercado Atlântico, sociedade agrária e elite mercantil no Rio de Janeiro, c. 1790-c. 1840, Rio de Janeiro, Diadorim, 1993.

Fragoso, João et al (orgs.), O Antigo Regime nos trópicos, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2001.

Freyre, Gilberto, Sobrados e mucambos: a decadência do patriarcado rural e desenvolvimento do urbano, Rio de Janeiro, Record, 2002.

Godoy, Silvana, Itu e Araritaguaba na Rota das Mongóes (1718 a 1838), Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História Econômica da UNICAMP, 2002.

Goubert, Pierre, El Antiguo Régimen. La sociedad, Madrid, Siglo Veintiuno de España, 1984.

Guedes Ferreira, Roberto, Pardos: trabalho, família, aliança e mobilidade social. Porto Feliz, São Paulo, c.1798 — c.1850, Rio de Janeiro, Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História Social da Universidade Federal de Rio

de Janeiro, 2005.

Guedes Ferreira, Roberto, Pardos: trabalho, família, aliança e mobilidade social, Porto Feliz, São Paulo, c.1798 — c.1850, Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em História da Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2005.

Hespanha, Antonio Manuel de, “A constituição do império português. Revisão de alguns enviesamentos”, em João Fragoso et al (orgs.), O Antigo Regime nos trópicos, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2001, pp.163-188.

Isenberg, Peter, Homens esquecidos, Campinas, Ed. UNICAMP, 1989.

Jucá Sampaio, Antônio, Na Encruzilhada do Império: hierarquias sociais e conjunturas económicas no Rio de Janeiro (c.1650-c.1750), Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 2003.

Kuznesof, Elizabeth Anne, “The Role of the merchants in the economic development of São Paulo, 1765-1850”, in Hispanic American Historical Review vol.60, n.°4, Durham, Duke University Press, 1980, pp.571-592.

Levi, Giovanni, “Comportamentos, recursos, processos: antes da ‘revolução’ do consumo”, em Jacques Revel (org.), Jogos de Escala, Rio de Janeiro, FGV, 1998, pp.211-212.

Lima Henrique, Filho, Microstoria: Escalas, indícios e Singularidades, Campinas, Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História da UNICAMP,

Machado, Cacilda, A Trama das Vontades. Negros, pardos e brancos na produção da hierarquia social (São José dos Pinhais — PR, passagem do XVIII para o XIX), Rio de Janeiro, Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História Social da UFRJ, 2006.

Marischal, Dorothy, “A estrutura social na Inglaterra no século XVII”, em Roland Mousnier (org.), Problemas de estratificado social, Lisboa, Martins Fontes, 1968, pp.121-140.

Marquese, Rafael B., Administração e escravidão: ideias sobre a gestão da agricultura escravista brasileira, São Paulo, HUCITEC/FAPESP, 1999.

Marquese, Rafael B., Feitores do corpo, missionários da mente: senhores, letrados e o controle dos escravos nas Américas (1660-1860), São Paulo, Companhia das Letras, 2004.

Mattos de Castro, Hebe, Das cores do silencio: os significados da liberdade no sudeste escravista, Rio de Janeiro, Arquivo Nacional, 1995.

Mattos, Hebe, Memorias do cativeiro, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2005.

Mello e Souza, Laura de, Desclassificados do ouro. A pobreza mineira no século XVIII, Rio de Janeiro, Graal, 2004.

Mesgravis, Laima, “Os aspectos estamentais da estrutura social do Brasil Colonial”, em Estudos Económicos no13, São Paulo, Universidade de São Paulo, 1983, pp.799-811.

Mousnier, Rolland (org.), Problemas de estratificação social, Lisboa, Martins Fontes, 1968.

Nazzari, Muriel, O desaparecimento do dote, São Paulo, Companhia das Letras, 2001.

Nuno, Monteiro G., “Elites e mobilidade social em Portugal nos finais do Antigo Regime”, em Análise Social vol.XXII (2°), n.°141, Lisboa, Universidade de Lisboa, 1997, pp.335-368.

Odilon Nadalin, Sérgio, “A população no passado colonial brasileiro: mobilidade versus estabilidade”, em Topoi, vol.4, n.°7, Rio de Janeiro, Universidade Federal de Rio de Janeiro, 2003, pp.222-275.

Paiva, Eduardo, Escravidão e Universo Cultural na Colônia: Minas Gerais, 1716-1789, Belo Horizonte, Ed. UFMG, 2001.

Prado Júnior, Caio, Formação do Brasil contemporâneo, São Paulo: Brasiliense, 1983.

Rios, Wilson, A lei e o estilo. A inserção dos ofícios mecânicos na sociedade colonial brasileira. Salvador e Vila Rica 1690-1790, Niteròi, Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História da Universidade Federal Fluminense,

Russel-Wood, A. J. R., The black man in slavery and freedom in Colonial Brazil, New York, St. Martin’s Press, 1982.

Russel-Wood, A. J. R., Escravos e libertos no Brasil colonial, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2005.

Schwartz, Stuart B., Segredos Internos: engenhos e escravos na sociedade colonial, 1550- 1835, São Paulo, Companhia das Letras, 1988.

Souza Soares, Márcio de, A remissão do cativeiro: alforrias e liberdades nos Campos dos Goitacases, c.1750-c.1830, Niterói, Tese de Doutorado apresentada ao Programa de Pós-graduação em História da UFF, 2005.

Stone, Lawrence, La crisis de la aristocracia (1558-1641), Madrid, Alianza Ed., 1985.

Viana Pedreira, Jorge Miguel, Os homens de negócio da praga de Lisboa. De Pombal ao Vintismo (1755-1822). Diferenciação, reprodução e identificação de um grupo social, Lisboa, Tese de Doutorado apresentada à Faculdade de Ciências Sociais e

Humanas da Universidade Nova de Lisboa, 1995.

Zequini, Anicleide, “A fundação de São Paulo e os primeiros paulistas: indígenas, europeus e mamelucos”, em Maria Alice Setúbal (coord.), A Formação do Estado de São Paulo, São Paulo, Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, 2004.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.