“NO CHÃO DO CAIS”. O MUNDO DO TRABALHO NO PORTO DE CAMOCIM-CE. (BRASIL), 1920-1970

Carlos Augusto Pereira dos Santos

DOI: https://doi.org/10.32997/2382-4794-vol.4-num.4-2012-691

Resumen

O presente trabalho discorre sobre o cotidiano e a cultura dos trabalhadores urbanos de Camocim-CE, no período compreendido entre 1920-1970, período este onde a cidade se sustenta nos espaços do trabalho favorecidos pelas atividades de um porto e uma ferrovia. Neste sentido a pesquisa procura compreender as relações sociais existentes neste pequeno universo no interior do Ceará e suas imbricações com o mundo do trabalho. Nesta perspectiva são analisados os fatores que favoreceram a construção de uma memória onde o passado da cidade está intimamente imbricado com o auge das atividades porto-ferroviárias. Por outro lado, o declínio destas atividades leva os trabalhadores (estivadores e portuários, principalmente) a desenvolverem outras estratégias de sobrevivência, seja buscando trabalho noutros portos do país, seja se estabelecendo em outras profissões (como os ferroviários, por exemplo). Dentro de uma concepção teórica e metodológica ligada à história social, procurou-se compreender o cotidiano dos trabalhado es em suas motivações políticas, nos conflitos no âmbito dos sindicatos, nos momentos de lazer e nas suas manifestações culturais, assim como nas relações com o patronato. Daí que, neste esforço de pesquisa, pretendeuse dar uma contribuição e lançar luzes para a compreensão de aspectos relacionados às experiências destes trabalhadores que se consolida a cada dia numa historiografia voltada para o mundo do trabalho.


Palabras clave

Porto de Camocim; Mundo do Trabalho; Trabalhadores;

Texto completo:

PDF

Referencias

Fuentes primarias

Almanaque do Ceará, Ano de 1904, p. XII.

Jornal A Lucta, maio 7 de 1914, Sobral-CE, p. 2.

Jornal O Rosário.Anno III, No. 133, 9 de setembro de 1911.

Ministério da Viação e Obras Públicas. Inspectoria Federal de Portos. Rios e Canaes, Portos do Brasil, pp. 65-66.

Ministério da Viação e Obras Públicas. Inspectoria Federal de Portos. Rios e Canaes, Portos do Brasil. Primeiro Centenário da Independência. 1822-1922, Rio de Janeiro, Empr. Ind. Editora “O

Norte”: 1922, p. 64.

Fuentes secundarias.

André Frota de Oliveira, A Fortificação Holandesa do Camocim, Fortaleza, Expressão Gráfica Editora Ltda., 1995.

Antônio Bezerra, Notas de Viagens, Fortaleza, Imprensa Universitária do Ceará, 1965.

Caio Prado Júnior, Formação Econômica do Brasil. Colônia, São Paulo, Brasiliense, 1992.

Carlo Ginzburg, Olhos de madeira. Nove reflexões sobre a distancia, São Paulo, Companhia das Letras, 2001.

Carlos Augusto P. dos Santos, Cidade Vermelha. A militância comunista em Camocim-CE. 1921950, Dissertação de Mestrado, UFRJ/UFC, 2000, p. 59.

Claudio H. M. A. Batalha, “Historiografia da classe operária no Brasil: trajetória e tendencias”, in Marcos Cezar Freitas (org.), Historiografia brasileira em perspectiva, São Paulo, Contexto, 2000, pp. 145-158.

Eric Hobsbawm, Os trabalhadores. Estudos sobre a história do operariado, São Paulo, Paz e Terra, 2000.

Fernando Teixeira da Silva, A carga e a culpa. Os operários das Docas de Santos: direitos e cultura de solidariedade 1937-1968, São Paulo/Santos, Hucitec/ Prefeitura Municipal de Santos, 1995.

Fernando Teixeira da Silva, Operários sem patrões: os trabalhadores da cidade de Santos no entreguerras, Campinas, SP, Editora da UNICAMP, 2003.

Guilherme Studart, Notas para a história do Ceará, vol. 29, Brasília, Senado Federal, 2004, p. 497.

José Borzachiello Silva, “A cidade contemporânea no Ceará”, in Simone de Souza (org.), Uma nova história do Ceará, Fortaleza, Edições Demócrito Rocha, 2004.

José Jofilly, Porto político, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1983.

Josué Humberto Barbosa, “Porto, navegação e vida social antiga: um cronista e o cotidiano do Recife nos meados do século XIX”, in Saeculum No. 415, João Pessoa, Editora Universitária/

UFPB, dezembro/2000.

Jurandyr Pires Ferreira, “Prefácio”, in Enciclopédia dos munícipios brasileiros, vol. XVI, Rio de Janeiro, IBGE, 1959.

Luís dos Santos Vilhena, Cartas de Vilhena; notícias soteropolitanas e brasílicas, Bahia, Imprensa Official

do Estado, 1802.

Lustosa da Costa, Sobral do meu tempo, Brasília, Senado Federal, 1982.

Manuel Correia de Andrade, “A estrutura portuária e a organização do espaço no Brasil”, in Anais da Associação dos Geógrafos Brasileiros vol. XIX, São Paulo, AGB, 1978.

Marc Bloch, Apologia da História. Ou o ofício do historiador, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 2001, p. 53.

Maria Cleide Carlos Bernal, A Metrópole Emergente: a ação do capital imobiliário na estruturação urbana de Fortaleza, Fortaleza, Editora da UFC/Banco do Nordeste do Brasil S. A., 2004.

Marta Emísia Barbosa et all, Sobral. Histórico e Evolução Urbana, Sobral, Prefeitura Municipal de Sobral, 2000.

Milton Santos, Por uma geografia nova: da crítica da geografia a uma geografia crítica, São Paulo, HUCITEC, 1978.

Norberto O. Ferreras, “História e trabalho: entre a renovação e a nostalgia”, in Trajetos vol I. No. 2, Fortaleza, Departamento de História da UFC, 2002, pp. 51-67.

Peter Burke, O que é história cultural?, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Ed., 2005, p. 30.

R. Aragão, História do Ceará, vol. 3, Ed. do autor, 1985, p. 265.

R. Batista Aragão, Pedra Verde, Fortaleza, IOCE, 1988.

Raimundo Girão, História Econômica do Ceará, Fortaleza, Instituto do Ceará, s/d. Capítulo XVII – 1880 a 1920.

Rita Kromemen, Mathias Beck e a Cia. das Índias Ocidentais. (O domínio holandês no Ceará colonial), Fortaleza, UFC, 1997.

Rosa Maria Godoy Silveira, O Regionalismo Nordestino. Existência e Consciência da Desigualdade Regional, São Paulo, Editora Moderna, 1984.

Sílvia R. F. Petersen, Cruzando fronteiras: as pesquisas regionais e a história operária brasileira. Texto apresentado no Seminário “AEL 20 anos”, Arquivo Edgard Leuenroth/IFCH/UNIAMP, Campinas,


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.