TRABALHO E CULTURA NA CIDADE PORTUÁRIA DE SANTOS (BRASIL), 1890-1920

Contenido principal del artículo

Fernando Teixeira da Silva
Maria Lucia Caira Gitahy

Resumen

Este artigo analisa o conflicto se desenvoveu entre os trabalhadores do porto de Santos (Brasil) sobre o controle da oferta de trabalho. Ele argumenta que as características do trabalho, pouca mecanização, intermitência da carga e mobilidade dos estivadores em várias ocupações, eles controlam o mercado de trabalho, o eixo central do conflito encenado no porto durante a primera metade do século XX. Ele también mostra os esfuerços do Estado e os empregadores para arrancar o controle dos trabalhadores que conseguiram establecer na oferta de trabalho.

Descargas

Los datos de descargas todavía no están disponibles.

Detalles del artículo

Palabras clave:

Referencias (VER)

1. “Memórias de Severino Gonçalvez Antunha”, Santos, junho de 1968; Edgar Rodrigues, Nacionalismo e cultura social, 1913-1922, Rio de Janeiro, Laemmerts, s.d., p. 361.

2. Barbara Weinstein, (Re)formação da classe trabalhadora no Brasil (1920-1964), São Paulo, Cortez, CDAPH-IFAN/Universidade São Francisco, 2000.

3. Candido Malta Campos Neto, “Os rumos da cidade: urbanismo e modernização em São Paulo”, São Paulo, FAU/USP, 1999 (tese de doutoramento);

4. Carlos Roberto Monteiro de Andrade, “A cidade como um corpo são e belo” in Cidade e História, Salvador, ANPUR, 1992, pp. 77-81.

5. Carlos Roberto Monteiro de Andrade, “O plano de Saturnino de Brito para Santos e a construção da cidade moderna”, en Espaço e Debates No. 34, São Paulo, NERU, 1991, p. 63.

6. Coraly Gará Caetano, Desvendando mistérios: Roberto Simonsen e a luta de classes, IFCH/Unicamp, 1994 (tese de doutorado).

7. Cristina de Campos, Ferrovias e Saneamento em São Paulo. O Engenheiro Antonio Francisco de Paula Souza e a construção da rede de infra-estrutura territorial e urbana paulista, 1870-1893, São Paulo, FAU/USP, 2007 (tese de doutoramento) .

8. Fernando Teixeira da Silva e Maria Lucia C. Gitahy, “O movimento operário da construção civil santista durante a Primeira Guerra Mundial, 1914-1918”, em História Social No. 3, IFCH/UNICAMP, 1996;

9. __________, Operários sem patrões: os trabalhadores da cidade de Santos no entreguerras, Campinas, Ed. da Unicamp, 2003, capítulos 1 e 2;

10. Gordon Phillips e Noel Whiteside, Casual labour: the unemployment question in the port transport indutustry (1880-1970), Oxford, Clarendon Press, 1985, p. 271.

11. Guilherme Álvaro, A Campanha Sanitária de Santos. Suas causas e seus efeitos, São Paulo, Serviço Sanitário do Estado de São Paulo/Casa Duprat, 1919, p. 11.

12. Howard Kimeldorf, Reds or rackets? The making of radical and conservative unions on the waterfront, California, University of California Press, 1988.

13. João Freire, Anarquistas e operários. Ideologia, ofício e práticas sociais: anarquismo e o operariado em Portugal, 1900-1940, Porto, Afrontamento, 1992, pp. 87-89.

14. John D. French, O ABC dos operários: conflitos e alianças de classe em São Paulo, 1900-1950, São Paulo, Hucitec/São Caetano do Sul/Prefeitura de São Caetano do Sul, 1995, p. 69

15. José Murilo Carvalho, A Escola de Minas de Ouro Preto: o peso da glória, São Paulo, Editora Nacional/FINEP, 1978

16. Luiz Antonio Cunha, A universidade temporã, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1980;

17. Luiz Augusto Maia Costa, O ideário urbano paulista na virada do século. O engenheiro Theodoro Sampaio e as questões territoriais e urbanas modernas (1886-1903), São Carlos-São Paulo, RiMa/

18. FAPESP, 2003.

19. __________,“O moderno planejamento territorial e urbano em São Paulo. A presença norteamericana do debate da formação do pensamento urbanístico paulista, 1886-1919”, São Paulo, FAU/USP, 2005 (tese de doutoramento);

20. M. L. Gitahy, Ventos do mar; “Os trabalhadores da construção civil na belle époque.” II Congresso Brasileiro de História Econômica, UFF, Niterói, 13-16 de outubro de 1996.

21. Marcel van der Linden e Wayne Thorpe, “Essor et déclin du sindicalisme révolutionaire”, en Le Mouvement Social No. 159, abril-junio, 1992.

22. Maria Carolina Mazeviero, Memória e Identidade Urbana em Santos: usos e preservação de

23. tipologias arquitetônicas da Avenida Conselheiro Nébias, São Paulo, FAU/USP, 2008 (dissertação de mestrado), pp. 46-47.

24. Maria Cecília Loschiavo Santos, Escola Politécnica (1884-1984), São Paulo, EPUSP, 1985.

25. Maria Irene Szmrecsányi, “Rio e São Paulo” em Revista USP No. 17, São Paulo, 1993, pp. 202-219.

26. Maria Lucia Caira Gitahy (org.), Desenhando a Cidade do Século XX, São Carlos, RiMa/FAPESP, 2005.

27. __________, Ventos do mar: trabalhadores do porto, movimento operário e cultura urbana em Santos, 1889-1914, São Paulo-Santos, Editora da Unesp/Prefeitura Municipal de Santos, 1992,

28. p. 41.

29. __________,”Qualificação e Urbanização em São Paulo: a experiência do Liceu de Artes e Ofícios, 1873-1934” em Maria Alice Rosa Ribeiro (org.), Trabalhadores Urbanos e Ensino Profissional, Campinas, UNICAMP, 1986.

30. Milton Vargas, “Obras de saneamento (abastecimento de água, esgotos e recuperação de terras) in Shozo Motoyama (org.), Tecnologia e industrialização no Brasil, São Paulo, UNESP/CEETEPS, 1994, p. 93.

31. Paulo Cesar Xavier Pereira, Espaço, técnica e construção, São Paulo, Nobel, 1988.

32. Roberto Simonsen, À margem da profissão: discursos, conferências, publicações, São Paulo, São Paulo Editora, 1932, p. 157.

33. Sheldon Leslie Maram, Anarquistas, imigrantes e o movimento operário brasileiro, 1890-1920, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1979, pp. 51-52.

34. Sidney Piochi Bernardini, Os planos da cidade: as políticas de intervenção urbana em Santos de Estevan Fuertes a Saturnino de Brito, São Carlos/São Paulo, RiMa/FAPESP, 2006.

35. __________, “Construindo Infra-estruturas, planejando territórios: A Secretaria de Agricultura, comércio e Obras Públicas do Governo Estadual Paulista”, São Paulo, FAU/USP, 2007 (tese de doutoramento).

36. Sylvia Fischer, “Ensino e profissão: o curso de engenheiros-arquitetos da Escola Politécnica de São Paulo”, São Paulo, FFLCH/Departamento de História, USP, 1989 (tese de doutorado)

37. __________, Ensino e profissão: o curso de engenheiros-arquitetos da Escola Politécnica de São Paulo, São Paulo, FFLCH/Departamento de História/USP, 1989 (tese de doutorado).

38. Tânia de Luca, O sonho do futuro assegurado: o mutualismo em São Paulo, São Paulo, Contexto, 1990, p. 20.

39. Wilson Roberto Gambetta, “Desacumular a pobreza: Santos no limiar do século”, em Espaço e Debates No. 11, São Paulo, NERU, 1984, p. 17.

Contadores