Samba, brasilidade, e a expansão da ‘cidadania popular’ no Rio de Janeiro, 1937-1945

Claudio Daflon

DOI: https://doi.org/10.32997/2382-4794-vol.10-num.10-2018-2224

Resumen

Este trabalho investiga como compositores de música popular no Rio de Janeiro dialogaram e negociaram com o projeto do Estado Novo, liderado pelo presidente Getúlio Vargas no Brasil. Naquele contexto, novas tecnologias sonoras e de gravação, somadas à busca de um ideal de ‘brasilidade’ compatível com a ‘revolução’ almejada pelo governo Vargas, abriram um espaço extraordinário (ainda que constantemente monitorado) para a produção e massificação de diferentes expressões da cultura popular, sendo o samba a mais potente entre elas. O artigo pretende analisar sambas que carregam interpretações e reivindicações sobre as profundas transformações que o varguismo impôs à realidade brasileira e ao espaço urbano do Rio de Janeiro. Concentro-me, sobretudo, na dimensão política das canções criadas por sambistas populares, e como estas desafiaram, contestaram ou evidenciaram tensões no modelo civilizatório que as autoridades no Brasil e em sua capital tentavam impor naquele momento.


Palabras clave

Cidadania;Cultura popular; Rio de Janeiro; Varguismo;Samba;Brasilidade

Texto completo:

PDF

Referencias

Bibliografia

Fontes primárias

BATISTA, Wilson. Lenço no Pescoço, 1933.

BATISTA, Wilson; ALVES, Ataulfo. Bonde São Januário, 1940.

BATISTA, Wilson; ALVES, Ataulfo. Oh! Seu Oscar, 1939.

BATISTA, Wilson; GERMANO, Augusto. Inimigo do Batente, 1939.

BATISTA, Wilson; LOBO, Haroldo. Essa vida não é sopa, 1941.

BATISTA, Wilson; PEREIRA, Geraldo. Acertei no milhar, 1940.

BATISTA, Wilson; PINTO, Augusto. Largo da Lapa, 1942.

BATISTA, Wilson. Se não fosse eu, 1942.

MARTINS, Herivelto. Lá em Mangueira, 1942.

MARTINS, Herivelto. Laurindo, 1942.

MARTINS, Herivelto. Se o morro não descer, 1937.

MARTINS, Herivelto; LACERDA, Benedito. Acorda, escola de Samba, 1936.

MARTINS, Herivelto; LACERDA, Benedito. A Lapa, 1949.

MARTINS, Herivelto; OTHELO, Grande. Praça Onze, 1941.

MARTINS, Herivelto; RESSUREIÇÃO, Valdemar. Que Rei Sou Eu, 1945.

PEREIRA, Geraldo; NASSER; ALENCAR, Golpe Errado, 1946.

PEREIRA, Geraldo. Sinhá Rosinha, 1942.

ROSA, Noel; VADICO, Feitiço da Vila, 1934.

ROSA, Noel. Rapaz Folgado, 1933.

ROSA, Noel. Três Apitos, 1933.

SILVA, Ismael. Se você jurar, 1930.

SILVA, Ismael. Tristezas não pagam dívidas, 1932.

SILVA, Ismael. Para me livrar do mal, 1932.

SILVA, Ismael; BASTOS, Nilton. O que será de mim, 1931.

Fontes secundárias

Alzuguir, Rodrigo. Wilson Baptista: o samba foi sua glória!, Rio de Janeiro, Casa da Palavra, 2013.

Benjamin, Walter. “The Work of Art in the Age of Its Technological Reproducibility: Second Version", em Walter Benjamin: Selected Writings, Volume 3: 1935-1938, Cambridge, Mass, Belknap Press, 2006, pp. 101-133.

Calabre, Lia. ¨Na sintonia do tempo: Uma leitura do cotidiano através da produção ficcional radiofônica, 1940-1946.¨ Tese de Mestrado, Universidade Federal Fluminense, 1996.

Carvalho, Bruno. Porous City: a critical history of Rio de Janeiro, Liverpool University Press, 2004

Davis, Darién J. Avoiding the Dark: Race and the forging of national culture in modern Brazil,Brookfield, Ashgate, 1999.

Ferreira, Jorge (org.). O populismo e sua história: debate e crítica, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2001.

Ferreira, Jorge e Lucilia de Almeida Neves Delgado (orgs.). O Brasil Republicano – O tempo do nacional-estatismo: do início da década de 1930 ao apogeu do Estado Novo, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2003.

Fischer, Brodwyn. A Poverty of Rights: Citizenship and Inequality in Twentieth-Century Rio de Janeiro,

Stanford, Stanford University Press, 2010.

French, John D. The Brazilian Workers’ ABC: class conflict and alliances in modern São Paulo, Chapel Hill, University of North Carolina Press, 1992.

French, John D. Drowning in Laws: Labor Law and Brazilian Political Culture, Chapel Hill, The University of North Carolina Press, 2004.

Freyre, Gilberto. Casa-Grande e Senzala, São Paulo, Global, 2006.

Gomes, Ângela de Castro. A invenção do trabalhismo, Rio de Janeiro, Editora FGV, 2005.

Gomes, Bruno Ferreira. Wilson Batista e sua época, Rio de Janeiro, Funarte, 1985.

Hertzman, Marc A. Making Samba: A New History of Race and Music in Brazil, Durham, N.C, Duke University Press Books, 2013.

Laclau, Ernesto Laclau. On Populist Reason, Verso Books, 2005.

Ligièro, Zeca. Malandro divino: a vida e a lenda de Zé Pelintra, personagem mítico da Lapa carioca, Rio de Janeiro, Record, Nova Era, 2004.

Mackinnon, María Moira e Mario Alberto Petrone (orgs.). Populismo y Neopopulismo En América Latina: El Problema de La Cenicienta, Buenos Aires, Eudeba, 1999.

Mattos, Claudia. Acertei No Milhar: Samba e Malandragem No Tempo de Getúlio, Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1982.

Moura, Roberto. Tia Ciata e a Pequena África no Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura, Dep. Geral de Doc. e Inf. Cultural, Divisão de Editoração, 1995.

McCann, Bryan. Hello, Hello Brazil: Popular Music in the Making of Modern Brazil, Durham, N.C, Duke University Press Books, 2004.

McCann, Bryan.. “Noel Rosa’s Nationalist Logic”, em Luso-Brazillian Review. Vol. 38, no. 1, Summer, 2001, pp. 1-16.

Middleton, Richard. Studying Popular Music, Milton Keynes, Open University Press, 1990.

Mussa, Alberto e Luiz Antonio Simas, Samba de enredo: história e arte. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2010.

Napolitano, Marcos. História & música – história cultural da música popular, Belo Horizonte, Autêntica, 2005.

Oliven, Ruben George. “A Malandragem na Música Popular Brasileira”, em Latin American Music Review. Vol. 5, No.1, Spring – Summer, 1984, pp. 66-96.

Sandroni Carlos. Feitiço decente: transformações do samba no Rio de Janeiro, 1917-1933, Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editor, 2001.

Sodré, Muniz. Samba, o Dono do Corpo, Rio de Janeiro, Mauad Editora, 1998.

Vianna, Hermano. The Mystery of Samba: Popular Music and National Identity in Brazil, Chapel Hill, University of North Carolina Press, 1999.


Enlaces refback

  • No hay ningún enlace refback.